“ A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”.

“Todos são iguais e não podem ser julgados pela cor da pele”

“ Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele ou por sua origem ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender a odiar e se elas aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar”. Nelson Mandela

“Eu tenho um sonho. O sonho de ver meus filhos julgados pelo caráter e não pela cor da pele”.  Martin Luther King

“Mesmo as noites totalmente sem estrelas podem anunciar a aurora de uma grande realização”. Martin Luther King

Sei o que há em meu coração, sinto o quero dizer, mas sou incapaz em descrever.

Falar sobre a grandeza humana de Nelson Mandela e Martin Luther King é um desafio. Por mais que tente descrevê-los, sei que jamais serei fiel aos homens  de caráter impecável, humildes que jamais se deixaram corromper, mesmo diante de situações caóticas.

Dois homens despojados de qualquer ambição própria, lutaram pelos mesmos ideais, sofreram por serem líderes de movimentos, pagaram a conta em benefício do seu próximo e um,  com a sua própria vida, por não querer renunciar ao seu sonho.

Martin Luther King, EUA, pastor evangélico, formação cristã, filosofia europeia e ensinamentos de Gandhi, fizeram-no um líder universal, para quem não havia causa pequena demais.

Pregava o amor ao próximo, a não violência e em sua campanha, usava apenas, como arma, suas palavras.

Combatia o preconceito racial, queria a igualdade social, o direito do voto, etc. Até porque o negro sempre fora massacrado, vivendo sob o jugo dos poderosos de pele branca.

Um dia antes de  sua morte, em discurso caloroso, previu o acontecimento. Sabia  o que aconteceria, mais cedo ou mais tarde, lidava com gente poderosa, não chegaria a ver o resultado de sua luta, mas não exitou em qualquer momento dar a vida em troca de seus ideais: ver seu povo livre, com o direito de ir e vir, estudar, crescer economicamente…

E no dia seguinte ao último discurso foi alvejado no mesmo lugar em que discursava.

Nelson Mandela, ícone da luta pacífica da discriminação racial contra os negros, maioria na África do Sul, principal membro do movimento,  defendeu a luta pacífica contra o apartheid, ( separação territorial das raças negras) mas mudou de opinião em vinte e um de março de mil novecentos e sessenta.

Neste dia, policiais sul- africanos, atiraram contra os manifestantes negros, matando sessenta e nove e ferindo cento e oitenta.

Preso, permaneceu na cadeia de 1964 a 1990, por ser negro e prisioneiro político, sofreu consequências. Sua ração era menor do que a de outros presos, sua cela sem cama, sem encanamento, etc.

 Passou dezoito anos em trabalhos forçados numa pedreira, com tratamento diferenciado dos demais presos. “Eu não tinha tempo para me angustiar. Eu gostava de ler, escrever cartas e isso ocupava minha mente completamente”.

Mesmo na prisão, conseguiu enviar cartas para organizar e incentivar a luta pelo fim da segregação racial no país.

 “ Longe de enfraquecer o espírito tornou-se mais determinado a continuar na luta até a vitória”.

Em momento algum Mandela fraquejou, pelo contrário, sua perseverança sobrepôs seus adversários, tornando-os fracos diante de seus objetivos.

Ofereceram-lhe liberdade condicional, mas deveria ceder.

  Daria sua vida se preciso fosse, mas continuaria na luta. Mandela mandara o recado: Jamais se corromperia em benefício próprio.

O presidente da África do Sul Frederik de Kler, diante das pressões internacionais, persuadido, mesmo porque Nelson Mandela ainda que preso fortalecia mais sua luta, ganhando força no movimento.

A liberdade de luta, igualdade entre as raças que viviam em completa miséria e jamais teriam ascensão social era o sonho de Mandela,   não havia como mantê-lo preso diante da situação insustentável. O presidente Frederik  Kler solicitou a libertação de Mandela.

Mandela implantou a democracia na África do Sul! Com os mesmos diretos, negros estudam nas mesmas universidades dos brancos, mas a ascensão social ainda é de se lamentar.

A África do Sul, é um país muito pobre, há fome, miséria total, longe do sonho de Mandela. Há de se muito lutar para que isso aconteça.

Mandela, primeiro presidente negro, pai da democracia, foi presidente da África do Sul no ano de 1994.

Dia 18 de julho. Dia Internacional Nelson Mandela.

Estes dois líderes, heróis mundiais  receberam o Prêmio Nobel da Paz e muitas outras honrarias.

Martin Luther King negava-se e proibia a divulgação de qualquer  prêmio ou honraria.

{loadposition folhadaterra-posicao10}