Prefeitura empurra com a barriga o transporte alternativo na Zona Oeste

Os usuários do transporte alternativo de passageiros da Zona Oeste estão perguntando o que está faltando para o poder público resolver definitivamente os problemas do STPL – Serviço de Transporte Público Urbano LocaL?

 Sim, é esse o novo nome, a cada capítulo da novela surge um novo.

Eles acusam o governo de está esperando as próximas eleições para prometer outras soluções criativas e faturar outra vez os seus votos e dos permissionários.

O governo explicou que cancelou os contratos feitos com as cooperativas vencedoras da licitação por não concordar com os efeitos que mostraram concentração de poder, monopólio, coisas do gênero. A seguir passou a contratar diretamente com os motoristas justificando que dessa forma vários problemas de disputas no setor estariam resolvidos.

Os problemas do transporte alternativo são todos conhecidos, dificilmente aparecerá um fato novo. Leis, decretos, editais de licitação, fiscalizações, resoluções, portarias de todo tipo foram baixadas e nada mudou. As irregularidades continuam: pneus carecas, peças remendadas, portas abertas, excesso de passageiros, parada em local proibido, motoristas sem habilitação e sem cartão de identificação, são alguns exemplos sem considerar o mais grave que é o tipo de veículo usado que é inadequado.

Nossa reportagem foi às ruas para ouvir o que dizem os usuários:

Personagens

1 – Gosto de usar o transporte Alternativo. É mais rápido, mais barato. Porém, os idosos e estudantes sofrem com a falta de atenção deles. A solução seria a profissionalização dos motoristas e o uso de carros adequados. Dessa forma o sistema se enquadraria ao oficial e toda essa bagunça que eles fazem no trânsito acabaria.

Sandra Mara – Mendanha

2 – Eu só uso Vans e Kombis por obrigação está tudo errado. Os carros são uma porcaria, isso não é modo de transportar gente. Perdemos nossa dignidade, a entrada e saída de passageiro é ridícula, um roça roça constante.

Luane Correa – Cosmos

3 – Eu só uso as Vans, são mais baratas e não demoram. Para melhorar todas deveriam aceitar cartões, algumas só aceitam dinheiro.

Everton Gonçalves – Fazenda Botafogo

4 – Acho bom. Eles procuram por nós, param onde queremos, enquanto os ônibus nos deixam a pé, principalmente os idosos e estudantes. Se tivessem carros melhores usaríamos mais.

Cláudia e Rose Santos – Santa Margarida

5 – Sofro muito com transporte. Pego condução na Avenida Brasil. Os ônibus são poucos e mesmo as vans não atendem a demanda. Sem contar que algumas não aceitam o bilhete único e carregam passageiros em pé, um em cima do outro.

André Luis da Silva – Palmares

6 – Este tipo de transportes para mim é um quebra galho, prefiro usar o trem. Às vezes tenho que usar, mas não gosto. Os cobradores são abusados, na ânsia de ganhar passageiros eles falam o que querem, não respeitam as pessoas, são despreparados. O transporte alternativo tem que ser profissional a começar pelos carros que são inadequados, as mulheres se sentem envergonhadas quando tem que trocar de lugar com um homem, pois tem que se esfregar nele. Tem que ser micro-ônibus. Os motoristas e cobradores são despreparados e colocam nossa vida em risco, e não temos seguro.

Lino da Silva – Paciência

7 – Só ando de van em caso especial, a solução é colocar mais ônibus nas linhas para acabar com essa ferramenta política.

Felipe Rodrigues – Campo Grande

8 – Às vezes eu ando de van ou Kombi, mas só quando há muita necessidade. O sistema é confuso, existe um vale tudo quando se trata de transporte alternativo. É um péssimo exemplo para nossa democracia que tem que ser exercida com responsabilidade. Depois das máfias do transporte alternativo e agora com a pizza do mensalão tudo se “justifica”.

Márcio Nilo – Campo Grande centro

{loadposition folhadaterra-posicao10}

{jcomments on}

 

Comentários

comentários

Deixe um Comentário