CONFERÊNCIA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ESTIMULA PEQUENOS EMPREENDEDORES

Cooperativas de catadores, pescadores, costureiras e núcleos de agricultura familiar e de artesanato terão incentivos para formalizar seus negócios. A III Conferência Estadual de Economia Solidária, que começou nesta terça-feira (10/6), no Rio de Janeiro, estimula pequenos empreendedores a regularizarem seus negócios e a atraírem investimentos. O evento é promovido pela Secretaria de Trabalho e Renda, que vai articular uma parceria entre o Sebrae e a AgeRio (Agência Estadual de Fomento) para qualificação profissional e fontes de crédito.
 
Os temas abordados são resultado das discussões realizadas nas oito conferências regionais promovidas entre o mês de março e abril. As cidades que participaram foram Niterói, Petrópolis, Volta Redonda, Campos, Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Angra dos Reis e Rio das Ostras.
 
A Secretaria de Trabalho pretende criar um Plano Estadual de Economia. A intenção também é criar Centros Públicos de Economia Solidária com espaço para qualificação e capacitação por meio de cursos específicos, além de áreas de exposição e venda de produtos.
 
– O plano vai estimular pequenos empreendedores a regularizar seus negócios, atrair investimentos, realizarem qualificação profissional e adquirirem fontes de crédito – explicou o secretário de Trabalho e Renda, Sergio Romay.
 
Dados da Secretaria Nacional de Economia Solidária apontam que, em 2007, havia 617 empreendimentos registrados no estado, contribuindo para o sustento de 160 mil pessoas em 92 municípios. A associação das costureiras Artesãs da Maré está entre as empresas que aprovam a implantação do Plano Estadual de Economia Solidária. Para a coordenadora da associação, Clarice Cavalcante, a realização da conferência é um avanço. Ela conta que desde 1998 vem lutando em prol da economia solidária no estado.
 
– A criação do fundo rotativo solidário vai permitir que a gente se eduque financeiramente para que o crédito nunca acabe, pois os financiamentos normais têm juros muito altos. Além disso, também sugerimos a implantação de pontos físicos para a venda dos produtos e a criação da Central de Compras. Através dela vamos conseguir comprar produtos com preços mais acessíveis em maior quantidade – disse a costureira. 
A III Conferência Estadual de Economia Solidária termina nesta quarta-feira (11/6).
{loadposition folhadaterra-posicao10}
{jcomments on}
 

Comentários

comentários

Deixe um Comentário