Festa Literária da Zona Oeste começa descaracterizada e autores reclamam

Começou no último final de semana, 13 e 14 de setembro, na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, a segunda edição da Flizo – Festa Literária da Zona Oeste 2014.
Personagens da região que foram ao evento não o identificou com a Zona Oeste original. "Só dois autores de Bangu, Jesse Andarilho e Lycia Barros, além do idealizador Binho Cultura que também é da região, foram reconhecidos como representantes da verdadeira Zona Oeste", afirmaram.
Assim como o ex- prefeito César Maia que mascarou os limites geográficos da Zona Oeste para justificar seus investimentos na Barra da Tijuca, os produtores da Flizo 2014 acharam por bem copia-lo e mais uma vez a verdadeira Zona Oeste está sendo confundida com a Zona Oeste dos Ricos.
Ao contrário do ano anterior que consagrou Santa Cruz, uma das quatro capitais da Zona Oeste, como local de abertura da festa, este ano foi a vez da Barra da Tijuca que só é Zona Oeste na confusão política do prefeito maluquinho, como ficou conhecido Cesar Maia. Por isso,  a população  e os aproximadamente 70 escritores da Zona Oeste original não estiveram presentes, colocando em risco os objetivos da Flizo 2014. Só três escolas de Bangu, outra capital da Zona Oeste, estão inscritas para receber oficinas da Festa, uma das ferramentas utilizadas para produção do evento. As outras são o concurso literário, o curso de formação de gestores de projetos e as oficinas de produção de textos para cinema, teatro e literatura . O prazo para as inscrições termina na próxima sexta-feira (19.09) e parece que população local ainda não sabe pois não há comentários. 
A Festa que começou no sábado passado seguirá com as oficinas e terminará no dia 2 de novembro com debates e apresentações culturais. A falta de divulgação nos meios de comunicação da verdadeira Zona Oeste e o desinteresse da grande imprensa pela divulgação, ameaçam deixar de fora autores locais que ainda acreditam na Flizo original. A cobertura da abertura da Flizo 2014 até agora não foi divulgada, nem a forma de participação no evento de possíveis escritores da região.
O idealizador e co-produtor do evento Binho Cultura, agente cultural local, morador da Vila Aliança, em Bangu, comentou o fato: Quanto a falta de divulgação na região, faltou verbas; quanto a descaracterização da Zona Oeste no evento, disse que não vai contribuir para dividir a região e que tem autores locais no evento, sem citar nomes. Acrescentou ainda, que é ele quem convida os autores e seleciona os mais relevantes entre mais de 200 identificados na região; quanto a falta de inscrições da região não teceu comentários, nem sobre os compromissos anteriores não cumpridos. Nancilia Pereira, uma das escritoras que participaram da versão passada do evento, acusa a falta de pagamento dos autores e a má vontade de Binho Cultura em esclarecer, e muito menos de tratar da versão atual da Festa. "Por eu ter sido a única a receber e estar orientando os outros autores, acho muito difícil aceitarem minha inscrição esse ano", especulou Nancilia Pereira.
Quem quiser participar da Flizo ainda há tempo, até sexta-feira (19.09) o site (www.flizo.org) receberá inscrições .
{loadposition folhadaterra-posicao10}
{jcomments on}
 

Comentários

comentários

Deixe um Comentário