Obra da Trasolímpica alcança 65% de execução e deixará Magalhaes Bastos a 30 minutos do Recreio

Faltando um ano para os Jogos Rio 2016, a obra da Transolímpica chega a 65% de sua execução. Nesta terça-feira (04/08), o prefeito Eduardo Paes e governador Luiz Fernando Pezão  participaram da última perfuração do túnel da via na galeria Engenho Velho, sentido Jacarepaguá. A via, que será finalizada no primeiro semestre de 2016, receberá o terceiro corredor de BRT da cidade.

 

A Transolímpica terá 25 km de extensão (sendo 13 km de via expressa) e ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro, passando por Barra da Tijuca, Curica, Colônia Juliano Moreira, Taquara, Jardim Sulacap, Vila Militar e Magalhães Bastos. A estimativa é que o tempo de viagem seja reduzido em 60% – de duas horas e meia para apenas 30 minutos -, beneficiando 70 mil passageiros no modal de alta capacidade e comportando 55 mil veículos por dia.

 

Acompanhado também dos secretários executivo de Coordenação de Governo, Pedro Paulo; municipais de Obras, Alexandre Pinto, e de Transportes, Rafael Picciani; e do presidente do Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, o prefeito falou sobre a importância da Transolímpica para a mudança na vida das pessoas:

 

– Trazer as Olimpíadas para o Rio foi a chance de tornar essa cidade mais justa e integrada. Esse cruzamento que fizemos aqui, pra quem não conhece o Rio, pode parecer uma coisa trivial, mais um túnel, mas esse morro aqui durante muitos anos dividiu a parte mais carente do Rio, a Zona Oeste, do resto da cidade. Com a Transolímpica vamos diminuir o tempo de viagem das pessoas que saem de Magalhães Bastos, Deodoro, Ricardo de Albuquerque, Anchieta, Guadalupe, e de outras áreas sempre mais abandonadas da cidade. Isso aqui é que muda a vida das pessoas.
 

Além disso, o BRT terá ligação com a Transcarioca, em Curicica, e com a Transoeste, no Recreio dos Bandeirantes, além de ser integrado aos trens da SuperVia e futuramente com a Transbrasil em Deodoro. O projeto inclui a duplicação da Avenida Salvador Allende, bem como a abertura de novos caminhos pelo Maciço da Pedra Branca, com a construção de um túnel com quatro emboques. Ao todo, a Transolímpica contará com 18 estações e três terminais.

 

– Vamos ter diversos legados nas Olimpíadas. A população do Rio, do Brasil e todos que nos visitarem vão poder comemorar muito. Considero a mobilidade um dos maiores legados. E o BRT já mostrou o sucesso que é e, agora, abrindo mais um corredor aqui e depois ligando com a Avenida Brasil – disse o governador Pezão.

Este será o quinto maior túnel da cidade e o segundo no Maciço da Pedra Branca – o primeiro foi o Túnel José Alencar, implantado em 2012 durante as obras da Transoeste. A estrutura terá um Centro de Controle e Operações (CCO), será uma das mais modernas da cidade. Também seguirá todas as normas da ABNT, com sistema de ventiladores, iluminação em LED, sistema à prova de apagões e prevenção contra incêndios, subestações de controle e segurança para monitoramento 24 horas – localizadas em cada emboque –, com gerador próprio e uma área para apoio técnico das equipes de socorro.

 

 

Dois túneis com mais de três quilômetros

 

 

A perfuração das galerias é a etapa mais importante da implantação da via expressa com BRT. Serão dois túneis somando mais de três quilômetros de nova travessia: o primeiro, na Serra do Engelho Velho, conta com duas galerias e extensão de 2,8 quilômetros (1,4 quilômetro em cada sentido); enquanto o segundo, situado na Estrada da Boiúna, possui duas galerias de 190 metros cada. As detonações prosseguem nas demais galerias e já alcançam aproximadamente 2,6 quilômetros de escavação no túnel do Engenho Velho e 183 metros no túnel da Boiúna.

 

Ao final da obra terá sido escavado um total de 350 mil metros cúbicos de rocha, equivalentes a 32 mil caçambas de caminhão. O material será reutilizado como aterro nas obras de urbanização previstas para adequação das pistas ao BRT, evitando a aplicação de britas e saibro, um modelo sustentável de construção. Serão 500 mil quilos de explosivos consumidos durante toda perfuração dos túneis.

 

 

 

Sobre a Transolímpica

A Transolímpica entra na reta final e atinge seu pico de contratação, com 3.282 pessoas envolvidas na obra. Já foram construídas as superestruturas de viadutos localizados na Avenida Carlos Pontes, Rua Ipadu, Estrada do Rio Grande, Rua André Rocha, Estrada do Boiúna, Estrada dos Bandeirantes e três na Avenida Brasil. Também já estão concluídas as pontes sobre os rios Grande e Caldereiro. As obras seguem com a implantação de viadutos nas ruas Sampaio Correia, Outeiro Santo, Duque de Caxias, Canrobert da Costa e São Pedro de Alcântara, além das pontes Piraquara e Marinho, todos em estágio avançado. O concreto empregado para construir estas novas travessias equivale a quase 16 piscinas olímpicas.

{loadposition folhadaterra-posicao10}

{jcomments on}

Comentários

comentários

Deixe um Comentário