Campo Grande Atlético Clube: Acabou a Paciência

O Movimento União Campograndense de Cidadania e Cultura realizou na noite de ontem, quarta-feira (18), na sede do Sindicato dos Professores, a quarta audiência pública que discute a legalização e o conseqüente resgate do poder no clube, sob a presidência do Deputado Estadual Paulo Ramos, e com atuação relevante de sócios, conselheiros,  ex-jogadores e da sociedade civil campograndense.

A reunião começou morna, sofrendo efeitos do período de férias, e esquentou quando o deputado Paulo Ramos confirmou que o Procurador Geral do Ministério Público do Estado, Marfan Martins Vieira, tinha aceitado o pedido de abertura de inquérito policial para apurar denuncias de gestão fraudulenta na administração do clube. Os resultados das audiências anteriores foi questionado pelo deputado que classificou como insatisfatório, pelas deliberações não cumpridas, porém, confirmou que os pedidos de fiscalização das atividades do clube, administrativas e operacionais, supostamente irregulares, estão sendo processados.  Ainda inconformada com os resultados apresentados a presidência propôs e foi aceito que no próximo dia 7 de março, às 19hs, neste mesmo local, os sócios do clube se reunirão com o objetivo exclusivo de discutirem a ocupação pacífica do clube, até que a administração atual normalize os serviços de secretaria – atendimento aos associados – e preste conta dos seus atos administrativos e operacionais, principalmente no que se refere à atualização do quadro social e do estatuto.  Após a participação indireta, via imprensa, de alguns conselheiros especiais do clube que opinaram sob a forma de atuação do Movimento, a assembleia decidiu  que no dia 9 de março, às 19hs, no mesmo local, os mesmos terão a oportunidade de se reunirem para planejarem suas participações no movimento. Finalmente ficou decidido que o Movimento entrará com ações judiciais contra a atual administração do clube. Coube ao conselheiro Weldom Matos dar andamento ao processo.