Pré candidato Carlos Osorio abriu a série de debates da Associação Comercial de Campo Grande

A Associação Comercial e Industrial de Campo Grande voltou a editar o evento Café com Ideias na manhã desta terça feira (05-07), no salão da Paróquia N. Sra. do Desterro. O objetivo é ouvir as propostas dos candidatos à prefeitura do Rio. Quem abriu o ciclo de debates foi o deputado estadual Carlos Roberto Osorio – PSDB-, que após agradecer o convite e fazer algumas considerações – “A Zona Oeste tem a menor cobertura policial da cidade; a saída da crise na cidade se dará pela Zona Oeste ; temos que sanear a prefeitura, fazer uma reforma administrativa, quase quarenta secretarias e muitos cabos eleitorais admitidos inviabiliza a gestão; não sou político profissional , entrei na política a convite em 2010 para atender minha cidade e não quero ser governador” – , respondeu a 12 perguntas elaboradas pela produção do evento:

– Para o tema Urbanismo disse que informatizará o processo de licenciamento e desburocratizará as ações da secretaria, destacando que a cidade não pode perder oportunidades de negócios;
– Sobre o tema Educação respondeu que vai ouvir as diretoras e professoras que conhecem de perto os problemas, e que não conta com a parceria do estado porque ele está falido, usará recursos próprios e buscará a iniciativa privada que tem interesse num ensino de qualidade;
– Sobre o tema Saúde disse que votou a favor da municipalização do Hospital Rocha Faria, mas a prefeitura não entrou para valer, diminuiu o investimento mas também o atendimento. O critério será o mesmo usado para a educação. Antes de pensar em um novo hospital vamos modernizar o Rocha Faria e possivelmente ampliar. Essa proposta foi feita e aceita por quase 600 líderes numa reunião recente, onde fui sincero ao responder que não construiria um novo hospital. No futuro, se os estudos apontarem, pode ser;
– Quanto à Ordem Urbana disse que a Guarda Municipal virou o “patinho feio” da prefeitura que quer fazer média com a população em ano eleitoral.
“Vou implantar uma UOP – Unidade de Ordem Pública – em Bangu e outra em Campo Grande; vou reorganizar e motivar os guardas municipais; aos camelôs responderei com a despolitização da Guarda Municipal”, completou;
“Nesse tema a produção facilitou a vida do candidato ao não pedir sua opinião sobre o Projeto Segurança Presente que hora substitui as UOPS, uma parceria entre a Guarda Municipal, a Polícia Militar e a sociedade civil.

No tema Transportes a produção do evento voltou a facilitar a vida do candidato quando não pediu sua opinião sobre o transporte alternativo – Vans e Kombis -. Osorio se limitou a falar sobre o Sistema BRT dizendo que vai executar o trecho Campo Grande – Alvorada preservando a inoperante Estação Maria Teresa, corrigir os erros e desgastes do sistema e, depois, estudar outras alternativas;
– Sobre Mobilidade Urbana disse que a prefeitura não tem a saúde financeira que o atual prefeito diz, que após a Olimpíada só restarão compromissos que exigirão economia e saneamento financeiro, por isso, não vai realizar grandes obras, vai resolver os problemas com coque de gestão despolitizada, manutenção e operação dos equipamentos existentes;
–  “O Desenvolvimentos Econômico e um tema central, estamos em recessão, precisaremos planejar, a Olimpíada tirou nossa atenção, procuraremos investir nas nossas vocações, a Zona Oeste pode ser um polo de turismo, uma indústria da moda”, disse;
–  Quanto a administração pública regional pretendo revitalizar as funções da Administração Regional e da Subprefeitura da Zona Oeste, colocar lá técnicos da região que substituirão os cabo eleitorais que estão lá. “Não sou político profissional, não quero ser governador, sou independente”, finalizou Osorio.

O candidato construiu sua imagem de candidato independente, que só quer servir a sua cidade, trabalhando com simplicidade, inteligência e tecnologia para fugir da crise que se avizinha.