Frederick Vitílio: Me permito ser infeliz…(repostagem de 2012…)

 

Estive nos últimos dias conversando com algumas pessoas sobre relacionamento e somando às amostragens que possuía, estabeleci um parâmetro normativo que a maioria adota, o que é muito interessante e preocupante.

As mulheres buscam, em sua maioria, um partido que congregue as seguintes “qualidades”:

1. Aparencia;
2. Equilíbrio financeiro;
3. Performance sexual;
4. Tratamento machista (pegada, rusticidade, possessividade, fingimento,…);

Os homens buscam:

1. Aparencia;
2. Sexualidade acentuada (quanto mais “cachorrona” melhor);
3. Performance sexual;
4. Futilidades e vaidades (banho de salão, lingerie ousada, roupas que explorem o corpo,…)

Claro que estas “qualidades” são desejáveis pela maioria, com variáveis. Exemplo: o cara pode até ser feio e sem savoir faire, mas se possuir um belo carro e dinheiro, tudo bem…

Talvez quem leia entenda que estou sendo radical ou equivocado, mas basta olhar a nossa volta para verificar que mais do que nunca na história deste país (alguém usava isso…) os homens e mulheres nunca estiveram tão vazios, sem conteúdo, superficiais, hipócritas, falsos, indignos, sem honra, sem princípios.

Se estou “pegando pesado” é porque quero chocar mesmo. Os valores do ser foram totalmente destruídos pelo sistema que valoriza tudo que é nocivo, destrutivo e leviano. Ser safado, mau caráter, aproveitador, promiscuo é louvável. Trocar de parceiro como troca-se de roupa é liberdade sexual. (sic).

Ser bom, honesto, sensível, romântico e amoroso está ultrapassado. Chamam estas raras pessoas de bobas, infantis, tolas. O bom é sofrer desilusões, ser descartado, usado, tratado como uma coisa. Não é isso que acontece hoje em dia? As pessoas gostam de filmes tipo “aí, comeu?”. De se gabar de ter feito isso e aquilo na noite passada. De ter transado muito no sábado, etc, etc…

Estamos voltando aos tempos da caverna nas relações humanas. Nossa racionalidade está sendo suplantada pela irracionalidade, é o lado animal pautando nosso dia a dia, seja no transito, na rua, nas filas, no trabalho, no sexo. Tudo é sensação imediata, tudo é momento. E tome ira, egoísmo, inveja. Matemos nossos irmãos nos estádios, nas comunidades. Desrespeitemos os idosos. A vantagem sobre tudo e todos é o hit, é o que importa…

Resultado desse sistema pútrido, fétido, caótico: vida sem cor, sem amor, sem esperança, sem sentimento. Pobres arautos da perdição, acordem enquanto há tempo para transformar suas vidas sem rumo, direcionem seus esforços e energia em atitudes e sentimento edificantes. Respeitem, amem, sejam dignos, sinceros, justos, honrados.

Abandonem os desvios, tenham caráter e postura ilibadas, não para mostrar ao mundo mas sim para dar satisfação a si mesmos. Sentir orgulho de nossas qualidades e do bom trabalho realizado é elevar a raça humana, abortar e abdicar da barbárie, conduzir ao caminho da redenção definitiva tão bem mostrada por Jesus.

O ser inteligente não se permite sofrer, fazer o mal, prejudicar ninguém, pois sabe que estará agredindo a si mesmo e sofrerá as consequências.

O ser ignorante e burro se permite a sofrer por atos evitáveis para depois se revestir do véu da vitimologia e por a culpa em tudo e todos.

Sejamos sócios da humanidade, pois os atos conscientes, equilibrados e dignos serão para sempre louvados no nosso livro da vida…

POR: FREDERICK VITÍLIO