Vem aí o Dia da Zona Oeste

O VEREADOR EDSON ZANATA propôs e está tramitando na Câmara uma emenda à Lei nº 5.146/2010 que inclui no calendário oficial de datas comemorativas e eventos da cidade o Dia da Zona Oeste, a ser comemorado no dia 17 de novembro de cada ano.

“Celebrar um dos marcos da colonização do município, valorizar a história da cidade; mostrar as diferenças que ainda existem e lutar por melhorias. Este é o objetivo desta proposta.

Diversas pesquisas mostram que a origem das terras da Zona Oeste começou menos de 40 anos depois da fundação da cidade do Rio de Janeiro (1565). O marco inicial de muitas dessas terras pode ser encontrado nas sesmarias recebidas pelos pioneiros que ocuparam o local. De modo que podemos considerar que as terras de Bangu e Guaratiba foram o marco inicial do povoamento dessa região.

O dono da Fazenda Bangu, Manuel de Barcelos Domingues é também considerado um dos primeiros povoadores da cidade. É importante considerar a data de 17 de novembro de 1603 como data oficial de fundação (aprovada pela prefeitura) conforme citado no livro “Rumo ao Campo Grande por Trilhas e Caminhos“, de José Nazareth de Souza Fróes e Odaléa Ranauro Ensenat Gelabert.

Segundo esse autor, o marco inicial de povoamento seriam as terras de Bangu e Guaratiba. A partir daí é que foi sendo povoada e fundada a Freguesia Nossa Senhora do Desterro de Campo Grande (1673).

Nos dias atuais, a Zona Oeste concentra mais de 40% do total de habitantes do município do Rio. São mais de dois milhões e meio de pessoas, a maioria ainda se deslocando precariamente pela cidade a trabalho ou a lazer. Responde por 25% dos empregos formais da cidade, representando um importante pólo de desenvolvimento regional.

Apesar dos números respeitáveis, a Zona Oeste ainda padece da grande desigualdade social, característica do nosso país: enquanto a Barra da Tijuca ostenta Índice de Desenvolvimento Humano semelhante ao de países altamente desenvolvidos, a região de Santa Cruz ainda carece de coisas básicas, como saneamento básico, transporte de qualidade e acesso à saúde, explicou Edson Zanata.

 

 

 

 

 

Comentários

comentários

Deixe um Comentário