Por Rogério Melo: A Cancha encantada da Rua Ferrer

 

Campo do Bangu

Com a chegada de João Ferrer para administrar a Fábrica de Tecidos Bangu em substituição a Eduardo Gomes Ferreira, que se mostrava totalmente contra a qualquer tipo de jogo, houve uma mudança radical na forma entender a pratica esportiva como importante para os funcionários que trabalhavam na confecção de tecidos. Logo foi criado uma agremiação esportiva, o Bangu Ahetic Club que teve como primeira diretoria: Presidente Honorário: João Ferrer (o administrador da Fábrica que possibilitou a criação do Clube), Presidente: William French; Vice-presidente: Thomas Donohoe (funcionário escocês que introduziu o futebol no Brasil); Secretário e tesoureiro: Andrew Procter; Conselho Fiscal: José Villas Boas (desenhista português que confeccionou o escudo do clube); James Hartley e José Soares; Captain of Football: John Stark. Captain of Cricket: Thomas Hellowell; Captain of Lawn Tennis: Frederich Jacques.

Todos os dirigentes eram funcionários da Fábrica de Tecidos Bangu, que subsidiava as atividades do Clube, construiu a sede social, completava com razoável quantia em dinheiro o orçamento do clube, ajudando na conservação e limpeza da sede social, pagava os impostos e a energia elétrica, confeccionava uniforme de jogo, fornecia o transportes dos jogadores, além de ceder o terreno para construção do primeiro estádio de Futebol do Bangu, localizado bem em frente para a Estação Ferroviária, no espaço onde hoje se encontra o início da Rua Fonseca e o quarteirão em que está a loja Magal, Banco do Brasil e outros, bem no centro comercial de Bangu.

O Estádio logo ganhou uma imponente arquibancada de madeira e a grama que cobria todo o campo de jogo era inglesa, retirada dos magníficos jardins que existiam na Fábrica, por ordem do presidente de honra e administrador da Fábrica o espanhol João Ferrer.

O primeiro jogo que ocorreu no novo campo do Bangu, aconteceu no dia 13 de Maio de 1906, antes os jogos do Clube eram realizados nos jardins da Fábrica, com vitória do Bangu por 2 a 0 sobre o Riachuelo.

Anos mais tarde quando o narrador esportivo Ary Barroso, também conhecido por ser compositor de vários sucessos, entre eles Aquarela do Brasil, comparecia ao campo da Rua Ferrer para narrar os jogos, usava sempre uma expressão para identificar o maravilhoso estádio do Bangu, chamando de a “cancha encantada da Rua Ferrer”, utilizava também outros adjetivos para demostrar o quanto era difícil jogar neste estádio, chamando de o “alçapão da Rua Ferrer” e afirmava: “Ganhar lá é muito difícil, porque os mulatinhos rosados botam a gente prá correr!”.

O Estádio da Rua Ferrer durou até 1943, quando a Fabrica vendeu a área, construído um novo Estádio o de Moça Bonita.

Murilo Guimaraes no documentário “Bola para seu Danau” mostra uma música que era cantada pelos torcedores no charmoso estádio da Rua Ferrer.

A emoção era grande no campo da Rua Ferrer
Quando o Bangu Jogava e ganhava contra outro time qualquer
Na arquibancada tão linda toda feita em madeira a nossa torcida cantava e vibrava durante a partida inteira
A nossa torcida cantava e vibrava durante a partida inteira

Comentários

comentários