Oab Campo Grande volta a discutir cobrança indevida da Cedae

Público
Público

A OAB Campo Grande realizou na quinta feira (25.01), em sua sede, na Rua Engenheiro Trindade, em Campo Grande – centro – mais uma Audiência Pública para discutir a questão da Cedae (Foz Águas Cinco) que cobra o tratamento de esgoto em Campo Grande sem prestar o serviço.

O evento foi dirigido pelo Dr. Mauro Pereira dos Santos, presidente da 29ª Subseção da OAB Campo Grande, que criticou a omissão do Ministério Público: ” O Tribunal de Justiça já descumpriu dois acordos que cessavam às cobranças e devolvia parte dos valores cobrados indevidamente”, informou o presidente que também criticou a ausência do poder municipal, que embora convidado não compareceu ao evento. Mauro Pereira repudiou a proposta de ocupação do Fórum e Delegacia Policial de Campo Grande: ” Vamos dar um voto de confiança ao poder municipal recém empossado, vamos reconvocá-los para outra data”, concluiu.

Presentes ao evento, representantes da Rio Águas e Seconserva saíram da reunião por não poder responder oficialmente pelo poder municipal.

IMG_4606
Drs. Aline Matos e Celso Cordeiro

A advogada Aline Matos representando a OAB analisou tecnicamente as justificativas e especificidades da ação. O Dr. Celso Cordeiro, personagem polêmico que discute a questão com destemor, fez acusações contundentes ao poder judiciário e executivo do estado: “Todos deveriam estar presos, funcionários públicos e empresários”, disse, conclamando à plateia a se organizar para cobrar pessoalmente do delegado de polícia e do juiz. O diretor do Sintsama – Sindicato dos Trabalhadores em Saneamento Básico e Meio Ambiente do Rio de Janeiro e região – Júlio Martim fez uma análise da questão mostrando estratégias, personagens e meios usados para o não cumprimento das obrigações, e os resultados, o que chamou de tramóias.

Comentários

comentários

Deixe um Comentário