Willian Coelho propõe o fim dos medidores de energia com chip

A decisão da Light de instalar medidores eletrônicos com chip nas residências do Rio de Janeiro tem causado reclamações de muitos moradores que viram suas contas aumentarem em até 900% de um mês para o outro. É o caso de moradores do bairro de Sepetiba, na Zona Oeste da cidade, que ainda estão sofrendo com a recorrente falta de energia.

Com o intuito de proibir a instalação de dispositivos de energia elétrica equipados com chips eletrônicos no Município do Rio de Janeiro, o vereador Willian Coelho (PMDB) propôs o Projeto de Lei n° 58/2017. Outros municípios, como Nova Iguaçu e Belford Roxo, já aprovaram legislações com este mesmo objetivo devido às reclamações constantes de consumidores.

“A confiabilidade da medição de energia elétrica por chip está sendo questionada em uma ação civil do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. Na ação, são investigados, entre outros problemas, acréscimos abusivos nas contas luz de diversos consumidores que tiveram os antigos medidores de energia substituídos pelos dispositivos com chip”, afirma o vereador.

A Light alega que os novos medidores eletrônicos permitem que o cliente confira o seu consumo a qualquer momento por meio de um display digital em sua casa. Segundo a companhia, os equipamentos são mais seguros contra o furto de energia e têm o selo de garantia do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e a aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Se o Projeto for aprovado, a empresa será obrigada a retirar os equipamentos nas unidades residenciais e comerciais já instaladas. O não cumprimento vai implicar multa diária de R$ 30 mil.

Comentários

comentários