Rocha Faria utiliza polvos de crochê para auxiliar bebês prematuros

O Hospital Municipal Rocha Faria (HMRF), em Campo Grande, está recrutando voluntários com habilidades para confeccionar polvos de crochê. O objetivo é abastecer o Projeto Octo, que utiliza os bonecos de algodão na recuperação de bebês prematuros na UTI neonatal em seus primeiros meses de vida. Com o auxílio da peça, esterilizada, o bebê se sente mais acolhido. Os polvos transmitem calma e proteção aos recém-nascidos, já que os tentáculos remetem ao cordão umbilical e causam a sensação de segurança parecida à do útero materno.

Além da humanização do tratamento dos bebês, os relatos após a implementação do projeto em outros hospitais são de melhora nos sinais vitais e ganho de peso mais rápido. Além disso, o polvo evita que a criança puxe a sonda e tubos instalados.

O Projeto Octo, surgido na Dinamarca em 2013 e presente em 15 países, costura e doa polvos de crochê para bebês prematuros em unidades de tratamento intensivo neonatais. Todos os bonecos são esterilizados antes de serem entregues e a cada sete dias de uso. No fim da estadia do bebê no hospital, eles levam o novo companheiro para casa.

Os interessados em participar do projeto podem procurar o Centro de Estudos da unidade de segunda à sexta-feira, das 9h às 18h. O Rocha Faria fica na Avenida Cesário de Melo, 3.215.

Comentários

comentários