A fascinante Pedra do Rui

Desconhecida por muitos, a Pedra do Rui, localizada no morro Luiz Barata, em Campo Grande, é um dos mirantes urbanos mais bonitos do Rio de Janeiro, com uma visão privilegiada de grande parte da Zona Oeste. O roteiro ainda inclui uma belíssima visão do reservatório Victor Konder, da CEDAE.

O acesso é bem tranquilo e pode ser feito pelas imediações do RPMont, logo atrás do cemitério de Campo Grande. A trilha é de nível leve, mas carece de sinalização. Apesar da vista belíssima, o local carece de ações mais efetivas de reflorestamento. Ao longo do percurso, se avistam vestígios de um incêndio antigo. Fato que explica, em parte, o capim ter dado lugar à mata nativa em alguns pontos.

Com cerca de 10 minutos de subida, já é possível chegar ao belíssimo reservatório Victor Konder, uma edificação que marca pela sua beleza arquitetônica. A obra foi concluída em 1927, com inauguração em 1928, durante o governo de Washington Luis. Foi construído para reforçar a distribuição de água e sanar os problemas de abastecimento, ocorridos naquela época, especialmente nos bairros de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz. O projeto foi do engenheiro Paulo de Novaes e como fora inaugurado na gestão do Ministro de Viação e Obras Públicas, Victor Konder, recebeu o nome do mesmo. Após vários anos fora de operação, o reservatório voltou à operação em 24/04/1998. Hoje, a obra tem capacidade de 26 milhões de litros de água e presta relevantes serviços no abastecimento de grande parte de Campo Grande. O conjunto arquitetônico é tombado pelo INEPAC (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural), sob o número E-18/001.542/98.

Após mais alguns metros de subida, é possível chegar à Pedra do Rui. Segundo relatos, a pedra tem esse nome por ter sido pintada com o nome de um político da Região, nos anos 70. O principal atrativo do local é o silêncio e a visão panorâmica. De lá, se avista grande parte da Zona Oeste, incluindo Campo Grande, Augusto Vasconcelos, Santa Cruz e Sepetiba.

Uma dica valiosa é uma pic nic em família naquele feriado ensolarado, gastando pouquíssimo! Ou então, aquele momento de reflexão pessoal, ou quem sabe, uma oração em grupo! Quem mora em Campo Grande, ou próximo, não pode perder a oportunidade de fazer esse passeio incrível!

Quem vai fazer uma trilha, precisa ficar sempre atento a algumas dicas básicas:

– Saia de casa bem alimentado. Lembra-se: você está indo realizar um exercício.

– Consulte um médico antes para saber como está sua condição de saúde. Se o esforço físico que será feito é compatível com seu estado de saúde atual.

– Mantenha-se hidratado, leve uma boa quantidade de água, sempre tendo em mente que não poderá comprar nada no local.

– Evite bebidas alcoólicas, você precisará de muita atenção às subidas e descidas.

– Carregue alimentos leves para consumir durante a percurso.

– Use roupas leves, adequadas a esse tipo de atividade. Lembre de levar um chapéu ou boné.

– Não esqueça de usar um calçado apropriado, com solado antiderrapante, de borracha.

– Não esqueça o repelente e o protetor solar.

– Leve seu celular carregado para fazer muitas fotos do local ou se comunicar com alguém.

– Deixe alguém avisado sobre o local onde estará.

– Nunca faça uma trilha sozinho, pois você poderá se perder ou se machucar no caminho.

– Procure sempre ir com alguém que conheça bem o local.

– Contrate um guia local credenciado, você terá a garantia de maior segurança, principalmente, se não conhecer o local.

– Lembre-se: do local você só vai levar lembranças e muitas fotos.

– Não deixe nada no local! Seu lixo deverá voltar com você.

Por Luciano Tadeu: Biólogo, especialista em controle de vetores e Mestrando em Ciência e Tecnologia Ambiental pela UEZO.
CRBio 39000/02
e-Mail: lucianotadeubio@gmail.com

Comentários

comentários