Coluna JK: Complexo de vira-lata

Parte da sociedade organizada campograndense e algumas lideranças formadoras de opiniões estão comemorando a derrubada da inoperante estação do BRT Maria Teresa, quando deveriam lamentar a decisão da prefeitura de excluir Campo Grande do Sistema BRT.
“Essa foi a pá de cal no projeto do BRT Campo Grande”.
Quem não conheceu a história pode entender o fato como positivo, mas quem acompanhou a concepção e execução do projeto viu erros bizarros corrigidos a tempo – várias estações tiveram construções interrompidas – e sabe que esta ação significa desrespeito ao bairro de maior contingente populacional e que mais arrecada na cidade; e falta de credibilidade da “governança” local, que comemora a derrubada da estação, esquecendo que perdeu um instrumento de mobilidade urbana, tema da moda que revolucionou o centro da cidade e instalou o caos na Zona Oeste, em particular Santa Cruz e Campo Grande.
Uma sonora vaia para quem se acovardou e se limitou a pedir a derrubada da Maria Teresa quando a pedida era pelo BRT CAMPO GRANDE.

 

Comentários

comentários