Professora de Padre Miguel inova no ensino da matemática

“Vem, vem, vem, vem, vem, vem; na potenciação; a base vai repetindo, com a multiplicação”. Com frases ritmadas como essa, ao som do batidão do funk, a professora Lídia do Amaral ensina de forma divertida o conceito da potenciação. Envolvidos com o ritmo e a letra simples, escrita previamente no quadro branco, os alunos do 7º ano da Escola Municipal General Tasso Fragoso, em Padre Miguel, Zona Oeste da cidade, aprendem cantando e se divertindo as matérias da tão temida Matemática.


Com a música na cabeça dos estudantes, a docente propõe outra atividade: divide a turma em grupos e sugere uma partida de “dominó das potências”. Elaborado e produzido por Lídia com material reciclado, o jogo contém 28 peças e cada uma delas é dividida com uma potência e um resultado. O objetivo é calcular a potência, descobrir a resposta e encontrar a peça que se encaixa com a equação. O primeiro grupo a colocar todas as peças na sequência correta é o vencedor da tarefa.

Para explicar a matéria teórica e apresentá-la de forma prática através de exercícios, a professora optou por trabalhar os temas da disciplina de forma lúdica. Não é uma coincidência. Lídia busca ministrar aulas sempre com essa proposta. Usando e abusando da criatividade, a docente aposta no que não é habitual para mostrar para os seus 240 estudantes que aprender Matemática pode ser, sim, fácil e divertido.

“Quero fazer diferente e acho que estou conseguindo. Os alunos estão mais receptivos, se envolvem com as atividades e a consequência disso tudo é que eles estão aprendendo matemática, que historicamente já é vista com uma disciplina pouco atrativa entre os estudantes”, conta Lídia.

O ambiente na sala de aula também é um fator determinante para atrair os alunos. O chão da entrada é pintando com os vários ângulos que podem surgir ao movimentar a porta. Cada carteira tem uma régua numérica colada cuidadosamente pela professora. Uma grande reta numérica, com números positivos e negativos, ocupa todo o comprimento de uma parede. Além disso, cartazes coloridos com tabuadas e regras de sinais de multiplicação e divisão também decoram a sala.

Victor Hugo Souza, de 12 anos, diz que sempre gostou de matemática, mas que as aulas da Tia Lídia são diferenciadas:

“Ela explica de um jeito tão fácil que quando a gente vê já está cantando, resolvendo as questões e achando os resultados”.

A motivação de Lídia vai além das aulas que oferece nos tempos tradicionais. A professora também comanda uma matéria eletiva intitulada “Tasso na Mídia”, onde alunos produzem vídeos com diversos assuntos como: debates sobre bullying, cobertura do aniversário de 41 anos da escola e curiosidades matemáticas como a tabuada de nove com os dedos e o método chinês de multiplicação com retas e pontos.
Os vídeos, apresentados com propriedade pelos estudantes, são disponibilizados no canal da escola no Youtube, nomeado de Ginásio Carioca General Tasso Fragoso. O objetivo é deixar a escola, responsáveis e a comunidade no entorno atualizada do que está sendo produzido na unidade.

“Ela usa o funk, que é o ritmo que mais gostamos, e usa as nossas gírias para explicar teoricamente matérias que, se estivessem só escritas no quadro, demoraríamos mais tempo para entender. Pela primeira vez, estou gostando
de matemática e vendo o lado divertido de resolver problemas”, revela Julia Azevedo, de 12 anos, que explica em vídeo como é fácil multiplicar através do método chinês.

Além disso, a professora está coordenando uma turma preparatória com 40 alunos para a 14ª edição das Olimpíadas Brasileiras de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). A primeira fase será realizada no dia 5 de junho.

Lídia ainda se divide entre uma pós-graduação sobre Gestão Educacional e produz vídeos para o seu canal no Youtube chamado de Funkmática da Tia Lídia. Com tantas frentes, a professora não perde a motivação mesmo com uma rotina tribulada.

“O trabalho não é fácil, mas é extremamente prazeroso quando vemos os bons resultados que estamos conquistando. Isso só me dá mais ânimo para tentar mudar, por meio da matemática, a realidade e o futuro deles”.
 

Comentários

comentários