Lixo nas trilhas preocupa moradores da Barra de Guaratiba

A falta de educação ambiental dos frequentadores das praias alternativas da Barra de Guaratiba causa medo e preocupação com o futuro do turismo ecológico na região. “Em dias de chuva forte ficamos preocupados com o lixo que desce das encostas agravando a situação; quem conta com uma renda extra guiando banhistas nas trilhas de acesso às praias alternativas sabe que o excesso de lixo afugenta o turista que vem cada vez menos ao local”, reclamam os moradores que agradecem as ações de voluntários e de servidores públicos durante o verão:

A Comlurb e voluntários da ONG Amigos do Perigoso uniram esforços na sexta-feira (25/1) para garantir a limpeza da Trilha do Perigoso, em Barra de Guaratiba, na Zona Oeste. Das 7h às 12h, 12 funcionários da Companhia, sendo seis garis e seis integrantes da ONG, se dividiram entre caminhada pela mata, relativamente íngreme e de difícil acesso, e percurso por mar, em duas pequenas embarcações e uma traineira. Durante o trabalho, que percorreu as Praias do Perigoso, dos Búzios, do Meio, Funda e do Inferno, foram recolhidas cerca de três toneladas de diversas espécies de resíduos, como garrafas de plástico e vidro, latas de bebidas, papel, plástico e itens inusitados, como um pedaço de mais de um metro de casco de barco. O material recolhido foi transportado em barcos até a Praia de Barra de Guaratiba, onde foi acondicionado no caminhão coletor e dado o destino correto.
Um dos voluntários presentes, Alexandre Pereira, o Bigode, tem 45 anos e trabalha com lazer náutico. Ele é nascido e criado em Barra de Guaratiba e até hoje guarda a chave do farol que funcionava no local, já que seu pai foi o primeiro faroleiro da região. Há cinco anos, ele participa da ação conjunta da Comlurb e Amigos do Perigoso:
”É muito gratificante ajudar nesse trabalho. Sem o apoio da Comlurb seria muito ruim para nós, moradores, já que eles têm toda a estrutura em equipamentos para realizar o serviço pela trilha”, afirmou Bigode.

Com 51 anos de idade e 17 de Comlurb, o gari Samuel Cherem lembra da época em que o serviço na região precisava ser feito apenas pela trilha.
”Com essa parceria, o nosso serviço foi facilitado. Antes, todo o lixo precisava ser levado em caminhada. Atualmente, fazemos o trabalho pela trilha e os resíduos recolhidos são colocados nas embarcações. Hoje, o mar estava batendo um pouco, mas foi tranquilo. Trabalho com varrição e roçada e esse contato com a natureza acaba desestressando um pouco da correria do dia a dia”, disse Samuel.

Além da limpeza em si, a parceria da Comlurb com a ONG Amigos do Perigoso tem um viés de conscientização. Durante o trabalho, voluntários e garis conversavam com os frequentadores das praias sobre a importância da preservação da natureza local e a necessidade de não descartarem o lixo na mata e nas areias.